ESTAMOS NO FACEBOOK!





quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014



ADQUIRA AQUI SEU LIVRO!! 
(clique no BOTÃO DO PAGSEGURO!)

Funciona assim: Clique no botão de compra e 
siga os procedimentos do site. Assim que o PagSeguro confirmar seu pagamento, você receberá o livro em casa sem custos do frete! (válido apenas para o Brasil, vc de outro país entre em contato comigo através de meu e-mail para comprar seu livro em PDF!... um abração!)

 Aproveite para conhecer o testemunho completo sobre a origem da Família Nascimento!
ATENÇÃO: A promoção de vendas sem custo do frete PRORROGADA!!!
Aproveite e adquira o seu livro! Está acabando....




quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014



  • segunda-feira, 10 de junho de 2013

    PRECISO AGRADECER À DEUS PELOS ELOGIOS!!!


    MUITO OBRIGADA GENTE!!! Vou atualizando devagar (sem tempo!) Abraços!!



    GENTE NOVIDADE!!

    INSTAGRAM:
    @noemianasciment

    TWITER: @LivroNoemiaNasc
    nome: FamíliaNasc OFICIAL

    FACEBOOK:
    www.facebook.com/Noemianasciment

    Muitas novidades da #nascimentoFamily!
    Me segue lá hein?!!
    abraços!!!

    quinta-feira, 18 de outubro de 2012



    DISPONIBILIZO uma parte do capítulo DEZ para vocês... Abraços!


    (...)  Dois meses depois de nossa chegada, enquanto Mário foi visitar Antônio Antunes eu sentei ao lado de mamãe num banquinho de madeira lá no quintal, sob a sombra de uma jovem mangueira e começamos a conversar. As crianças estavam dormindo nas esteiras enquanto o sol se punha. A leve brisa nos refrescava e os pássaros cantavam lindamente.
                Eu olhei e percebi que  em volta da casa, os doze jovens pés de mangas já estavam quase do tamanho da nossa casa... “A jaqueira também está bem crescida né mamãe?...” Ela acompanhou meu olhar e respondeu “É minha filha... Nós não podemos ver o milagre que faz esta planta crescer, mas acreditamos que existe um milagre quando vemos o fruto que ela começa a dar... Levantamos o olhar para o alto, admiramos o tamanho da sombra e aí sim começamos a crer no milagre.” Minhas lágrimas começaram a descer e mamãe continuou “Noêmia, assim também são os planos de Deus, não vemos nada agora, nem entendemos seu agir! Só o tempo vai mostrar para você os frutos da sua volta para o Rio de Janeiro, e o tamanho da grande obra que o Senhor vai fazer... Bendito é o seu marido que ouviu a voz de Deus e não duvidou... Tenha paciência para perseverar em oração pelo teu futuro... Nosso Deus está muito feliz filha, alegra o teu coração!” Abracei minha mãezinha e comecei a me sentir melhor, o peso no coração se foi e as dúvidas se dissipavam... Olhei para os meus filhos e de repente senti o bebê se mexendo, naquele momento, eu tive certeza que minha família estava segura e que cada um de meus filhos estava nas mãos de Deus. Naquele dia eles  dormiam em esteiras, mas certamente eles dormiriam confortavelmente como príncipes e seriam mais que vitoriosos, assim como eu e meu esposo. Assim, alegrei-me na minha esperança...
                Quando nossos amigos souberam de nossa volta ao Corcundinha, não entenderam muito bem aquela escolha, mas nos ajudaram doando-nos  um velho um fogão à lenha e o restante da pequena mobília fomos comprando com as reservas de Mário, uma velha cama de casal e tijolos para escorá-la, um finíssimo colchão usado, uma mesa, três cadeiras e um pequeno armário de cozinha. Preciso confessar que infelizmente precisei me adaptar novamente àquela rotina sofrida. E tudo o que passei, só passei por que Deus passou junto comigo. Mário desempregado agora, levantava quatro da manhã para procurar trabalho. Logo em seguida, às cinco horas eu saía de casa para buscar água no poço. Feito isto, eu reunia meus filhos para catarmos lenha no mato. Às vezes aquelas lembranças estão muito claras na minha mente. Vejo Misael e Moisés carregando lenha comigo, enquanto Raquel com seis anos, vinha logo atrás de mãos dadas com Mattos. Que vida dura a que tivemos. Não era nada fácil. Nossa luz vinha de duas lamparinas e não havia água encanada. Era preciso acordar às quatro da manhã para encher nossas latas na única “bica comunitária” perto dali. Era o momento de conhecer e rever outras pessoas tão pobres quanto eu, que vinham de muito longe buscar água. Outra opção era ir até o poço que ficava há uns dois quilômetros de casa do outro lado da Rio-São Paulo.         Como Raquel tinha muito medo de sapo, e sapo era o que não faltava por lá, eu escolhia a bica para buscar água. Nosso chão era de taco. Muitos estavam soltos, outros apodrecidos, e sob as esteiras machucavam muito as crianças. A cozinha era de um vermelhão tão ruim, que ao passarmos pano molhado ele mesmo ficava da cor do chão! Do lado de fora de nossa casa, havia um pequeno quartinho onde fazíamos nossa higiene pessoal. A porta era um pano velho. Lá dentro, nós jogávamos água no corpo para tomarmos banho e as nossas necessidades fisiológicas eram feitas numa comadre ou sobre jornais, os quais enterrávamos depois. Mas quem não se agüentava, corria para o mato mesmo. Quando caía a noite, a lamparina era levada para o banheiro e, volta e meia, alguém saía de lá correndo pois havia uma cobra enrolada no canto do “quartinho-banheiro”. Já encontramos cobra jararaca, cobra coral, cobra que nem conhecíamos e até uma cascavel já apareceu pelo nosso quintal! Hoje, com dois banheiros lindos em minha casa, eu nem acredito que vivi durante 32 anos assim! Parece inacreditável, mas meu primeiro banheiro foi construído em 1978, o que deixo para contar mais tarde...

    segunda-feira, 11 de junho de 2012

    segunda-feira, 4 de junho de 2012

    LEMBRETE!

    Minha vovó, a irmã Noêmia, e eu ,
    teremos o maior prazer em lançar esta biografia em sua igreja,
    em qualquer lugar do Brasil.
    Entre em contato conosco através do e-mail: noemianascimento_livro@hotmail.com ou
    21-23944926